segunda-feira, 30 de maio de 2016

Download: Revista Animax

https://mega.nz/#F!NRQxzDLB!FWQRLmSzsZ5A2AYiNzIOOw

Eis aqui um pedacinho da história dos animes no Brasil.
Quando a revista Herói publicada pela editora Acme e teve uma aceitação enorme nas bancas, surgiram revistas similares. Uma delas era a Japan Fury, que acabou cancelada no número 6.
Essa equipe da Japan Fury foi pra editora Magnum e lá começaram uma revista nova, a Animax e o resto foi história...
A importância da Animax está intimamente ligada com a produção de mangás nacionais, tendo sido eles o carro-chefe para a produção dos mesmos.
Primeiramente com o mangá do Megaman, licenciado e com a revista Hypercomix, com as sátiras de mangás e animes.
Se hoje em dia existem pessoas que fazem mangás nacionais, isso tudo se deve ao fato da Animax ter aberto portas pra isso.
Coisa que nenhuma outra revista se dignou a fazer!

Cliquem na imagem para acessar a pasta no MEGA e fazerem download dos scans, A Animax teve 50 edições antes de seu fim.

Dados:
Nome: Animax - O Máximo em Animação Japonesa
Editora: Magnum
Edições: 50
Edições disponíveis: 20 / 50
Ano de lançamento: 1996
Servidor: MEGA
Formato de arquivos: PDF

terça-feira, 24 de maio de 2016

Crítica - Salvation!



Eu poderia chamar esse texto de "a linda ignorância de fanzineiro".
Vcs devem estar lembrados de que fiz um post a uns tempos atrás falando dos lançamentos da editora HQM, isso me referindo claro, aos quadrinhos nacionais.
Naquele belo ano, tivemos o lançamento de "Vidas imperfeitas", de Mari Cagnin, novos volumes de "Vitral" e o "Príncipe do Best-seller", do Futago Studio e um novato, o "Salvation", de André Araujyo.
É interessante lembrar que naquela época, OPBS se encaminhava pra sua finalização, Vitral estava chegando na metade (6 volumes de 12) e Vidas seria concluído rapidamente, por se tratar de 3 volumes.
Salvation é um gibi comercial, mas feito "a moda antiga", como os antigos almanaques de mangá nacional que assolaram as bancas enquanto os mangás japoneses não se firmavam.
A edição da HQM consistia de uma edição com pouco mais de 60 páginas e claro, história seriada.
Me encontrei com o autor em SP, conversamos sobre o gibi, perguntei coisas (sempre pergunto, né?) e sinceramente, esperava que o autor me ouvisse.
Não me ouviu. Daí cá estou eu escrevendo esse texto tardio para falar o óbvio: Salvation acabou.
Bem, não acabou realmente, com comunicado do autor, nem nada disso, mas para mim, Salvation está no mesmo barco que o horrendo fanzine "Insistência". Tecnicamente em publicação, mas edição nova que é bom...nada!
Vamos a crítica!

- História

O prelúdio da HQ mostra que num futuro talvez não tão distante, um grupo dominou o mundo e faz perseguição religiosa a todo mundo que não é da mesma religião que eles. Um rapaz ( que achei a cara do Kayra de Shurato, lembra desse anime? ) é morto por esse bandidos por ser cristão e a história volta no tempo, para o passado e é ali que a história realmente começa.
Conhecemos um padre, de nome Lukas. Senhor de idade, calvo, um bom padre. Junto a ele está o menino Enequeias, que usa um boné e vive de limpar a igreja onde Lukas faz missa.
Correndo em paralelo, temos o ateu-a-toda-prova Mateus. Que é professor universitário e bem famoso por sinal.
Acontece que Lukas e Mateus se conhecem e suas ideias sobre a existência ou não de Deus costumam dar ruim. Eles discutem. E em alguns dias eles vão se encontrar para mais um debate do tipo sendo televisionado.
É aí que começa a treta toda!
Nas trevas trevosas (??) um bando de bandidos planejam secretamente jogar as pessoas contra os cristãos do mundo todo. Como fazer isso? Matando o professor Mateus durante o debate ao vivo!
Só que o que a bandidagem não sabe é que Lukas, Enequeias e pasmem, mesmo Mateus, foram escolhidos por Deus para combater a ameaça!
...Que roteiro clichê né? Então, adiantando as coisas, os bandidos fracassam no intento de matar o professor Mateus, ele desperta o poder de Deus e por um momento os heróis tem alguma paz.
Sim, o Mateus deixa de ser ateu quando descobre que Deus existe.
Sim, o Lukas mesmo sendo velhinho e tudo mais, luta contra os bandidos, pois a Armadura de Deus funciona mais ou menos como a armadura do homem de ferro, mas bem maior.
E sim, o Enequeias luta também, mas rodando a vassoura pra bloquear ataque dos bandidos...
...
Cara, que bosta! xD Armadura pro velho vá lá, armadura e espada pro Mateus que é ex-ateu vá lá também...
Agora vassoura?  Zoado, zoado, zoado demais isso! x(
Mas o problema da história não é ela ser ruim, é uma outra coisa...

- O Problema

Problema é que a história parou. Sim, parou.
Salvation foi publicado online em inglês pelo antigo site de quadrinhos online "inkblazers" dos Estados Unidos. Quando foi publicada a primeira vez a história estava toda em inglês por sinal.
Quando foi lançada em 2014 pela HQM junto com outros mangás nacionais eu pensava que a webcomic teria um prosseguimento, uma continuidade. A história por si só pedia isso.
Mas não aconteceu.
Não é a primeira vez que tento acompanhar quadrinho nacional e o mesmo do nada, sem aviso algum, entra em hiato do nada, sem maiores explicações por parte do autor.
Eu falo "hiato", mas a real é que a história é abandonada, descontinuada mesmo, mas é aquele negócio né? Não existe o básico que seria a história ter um fim, uma previsão de fim pelo menos.
O autor, dentro de seu mundinho particular acha que consegue manter uma publicação regular, quando não é isso que ocorre. Viva a preguiça! Porque continuar história ruim, não é mesmo?
Eu comentei ali em cima que me encontrei com o autor e fiz perguntas a ele. A primeira pergunta que fiz foi justamente quantos volumes iriam durar a história.
E a resposta foi: "Quantos volumes o editor desejar."
Quer dizer, ele não tinha pensado num fim pra história. E eu, macaco velho nesses assuntos, sei que quando a pessoa não pensou em quantos volumes uma história teria, pode escrever: ela vai descontinuar a mesma.
E foi o que aconteceu. Esse Domingo que passou (22-05-2016) eu tava no Facebook como sempre e fui dar um pulo na página do mangá pra ver a quantas ia o negócio. 
Uma monte de postagem de conteúdo gospel, várias. Nada sobre o gibi. Pensei comigo: "Xii..." mas continuei procurando.
Acabei achando uma postagem velha, do ano passado (!!!) dando nota que a parte 4 da história estava online, em inglês, no site Tapastic Comics.
Vejam só, a edição impressa da HQM é de Abril de 2014 e contém os 3 primeiros capítulos.
O capítulo 4 lançado online está perto de fazer UM ANO online e sem atualizações.
Quer dizer, o autor desistiu da história, tá pouco se lixando o que fez ou deixou de fazer.
Ele NÃO QUER MAIS MEXER COM ISSO.
Azar de quem comprou o impresso.
Azar de quem tentou acompanhar a coisa online.
Azar pro autor, que achou que conseguia fazer quadrinhos e na real não consegue.
Ele pode dar a velha desculpa do "Ah, não tenho tempo", mas olhe outros exemplos de quadrinhos nacionais que temos aí, como o X-Dragoon, do Felipe Marcantonio, que chegou ao fim esses tempos. E ele casou, trabalhou, tem a vida dele normalmente e ainda fez e faz gibi online.
E nem precisa ir tão longe assim, o Futago Studio tá produzindo, tá criando histórias, estão na ativa.
E elas lançaram pela HQM também.
E tem Helena e Zucker do Studio Seasons, que sairam completinhos pela Newpop.
Quer dizer, o clássico "Não tenho tempo" deveria ser um "Não estou mais com saco pra isso."
Pelo menos seria mais sincero.
RIP Salvation, não sentiremos sua falta!

quarta-feira, 11 de maio de 2016

A grande lista de mangás nacionais cancelados!



Ah, é foda!

Esses últimos tempos tenho lido bastante o site "Biblioteca Brasileira de Mangás", os caras lá são bons, fazem umas postagens legais sobre o assunto.
E meio que influenciado por eles, pensei de fazer essa postagem aqui.
Então vamos lá!

A saber:
- Nessa lista serão colocados mangás nacionais que foram para bancas, livrarias e eventos e que por alguma razão, foram descontinuados. Notem que revistas que tinham previsão de termino ( poucas, por sinal ) e foram concluídas não estarão aqui.
Talvez eu faça uma outra lista sobre isso futuramente.
==============================================

Alcatéia
Editora: Linhas Tortas
Edições: 2 (Encadernadas)
Comentários: Embora o mangá tenha sido descontinuado, a história continuou em formato livro.

Ação Magazine
Editora: Lancaster Editorial
Edições: 3
Comentários: Era um almanaque que se propunha a ter várias histórias de temas variados.

Aniparo
Editora: Kingdom Comics
Edições: 3
Comentários: Paródias de anime e mangá.

Aniparo Ultra
Editora: Kingdom Comics
Edições: 1
Comentários: Uma edição especial da revista Aniparo. 

Aventuras da Sabida
Editora: Rica
Edições: 23
Comentários: Mangá infantil com uma super-heroína.

Ameto
Editora: Discovery
Edições: 1
Comentários: Foram lançados 4 volumes em fanzine. A edição se encontra em hiato. 

Break the Hand
Editora: Winner graph
Edições: 1
Comentários: Mais um almanaque de mangá.

Crônicas de Faherya
Editora: Zn Editora
Edições: 1
Comentários: Fantasia medieval.

Defensores de Tóquio
Editora: Trama / Talismã
Edições: 3
Comentários: Funcionava como um almanaque, mas com poucas páginas.

Desenhe e Publique Mangá
Editora: Escala
Edições: 11
Comentários: Herdeira da antiga revista "HQ - Revista do Quadrinho Brasileiro", era mais um almanaque com histórias diversas.

Deus-céu: O legado de Urano
Editora: Crás
Edições: 6
Comentário: Fantasia ambientado no mundo atual. Seu primeiro título foi: "Sob o signo de Urano".

Dragon Ball Milênio
Editora: Independente
Edições: 2
Comentários: Junior Fonseca, antes de abrir a Editora Newpop fez esse fanzine.

Em busca das Estrelas
Editora: Crás
Edições: 9
Comentários: Um dos primeiros títulos da editora.

Endhers
Editora: Zn Editora
Edições: 2 (Realmente?)
Comentários: História futurista com personagens numa cidade destruída. Só tive acesso ao número 1.

Equilibrium
Editora: Independente
Edições: 4
Comentários: Releitura de Alice no país das maravilhas.

Ethora Especial
Editora: Independente
Edições: 5
Comentários: Fanzine anual, iniciado em 2003 e durando até 2007. O destaque do zine era que cada página era feita por um artista diferente. 

Essência Plus
Editora: Independente
Edições: 1
Comentários: Junto com o Ressonância plus, a ideia do mangá era ser algo mais voltado ao Shoujo.

Fighter Dolls
Editora: Camargo e Moraes
Edições: 2
Comentários: Bonecas lutadoras num mundo futurista. A editora Camargo e Moraes criou uma linha de quadrinhos a preços populares, mas não foi pra frente.

Heróis S.A
Editora: Linhas Tortas
Edições: 2
Comentários: Jovens fantasiados lutam contra bandidos.

Hyper Comix
Editora: Magnum
Edições: 14
Comentários: A "gênese" das revistas de paródias de mangás e animes está aqui!

Inkuadrinhos
Editora: Independente
Edições: 1
Comentários: Mais um almanaque com histórias em estilo mangá. Alguns títulos viraram revistas-solo anos depois.

Mangá Booken
Editora: M&C
Edições: 4
Comentários: Mais um almanaque. Nesse aqui a presença de Eddie Van Feu e da Equipe Frente!

Mangá Brasil
Editora: Kingdom Comics
Edições: 2
Comentários: Mais um almanaque, mas em formato grande.

Mangá K
Editora: Independente
Edições: 6
Comentários: E...mais um almanaque? Feito pelo pessoal do Estúdio Magyluzia.

Mangá Pride
Editora: Independente
Edições: 3
Comentários: Sim, outro almanaque! -_- Criado quase que o mesmo tempo que a Ação Magazine.

Mercenários
Editora: Trama / Talismã
Edições: 1
Comentários: Existe uma nova versão da história a venda.

Nômades
Editora: Independente
Edições: 3
Comentários: Formatinho, história futurista.

Oiram
Editora: Hant
Edições: 1
Comentários: Assim como Sete Dias em Alesh, Oiram pode ser republicado no futuro.

Patre Primordium
Editora: Gol
Edições: 4
Comentários: Teve uma versão em fanzine.

Power Comics
Editora: Kingdom Comics
Edições: 5
Comentários: Mais paródias de anime. O formato da revista mudou durante suas 5 edições.

Power Sexy
Editora: Kingdom Comics
Edições: 6
Comentários: Assim como a Power Comics, a Power Sexy também fazia paródias, mas com conteúdo erótico.

Psi-force
Editora: Casa 2
Edições: 1
Comentários: História futurista.

Rafe
Editora: Clipp
Edições: 1
Comentários: Rafe continua sendo produzido, mas em formato online.

Ressonância Plus
Editora: Independente
Edições: 1
Comentários: Assim como o Essência plus, a ideia do Ressonância era ter histórias com mais ação e aventura.

Revista HBQ
Editora: Independente
Edições: 2
Comentários: Mais um almanaque.

Sad Heaven
Editora: Camargo e Moraes
Edições: 2
Comentário: O último mangá nacional publicado pela Camargo e Moraes.

Salvation
Editora: HQM
Edições: 1
Comentário: Existe uma webcomic, mas não é atualiza a tempos. 

Sete dias em Alesh
Editora: Hant
Edições: 1
Comentário: Lançado em conjunto com Oiram, a história será republicada futuramente pela Editora Newpop.

Shoujo Mangá Dream
Editora: Independente
Edições:  ?
Comentários: Um almanaque de mangá com histórias Shoujo. Era liderado por Suu Hideto.

Sugoi Mangá
Editora: Zn Editora
Edições: 1
Comentários: Sim, a editora ZN também teve seu almanaque de mangás.

Talentos do Mangá
Editora: Escala
Edições: 3
Comentários: Era mais uma almanaque (tsc) que tinha o viés de apresentar novos talentos.

Tenshi - Seven Elements
Editora: Independente
Edições: 5 (Será?)
Comentários: Só achei uma edição da revista, sem maiores informações de quantos números possam ter sido feitos.

Tokyoaki
Editora: Independente
Edições: 1
Comentários: Mais um almanaque, mas esse possui a maioria das histórias fechadas.

True Warriors
Editora: Naos
Edições: 2
Comentários: Mangá com histórias bíblicas.

Tsunami
Editora: Brainstore
Edições: 2
Comentários: Almanaque de mangás. Teve uma versão fanzine.

Tsunami
Editora: Trama / Talismã
Edições: 5
Comentários: Com o fim da editora Brainstore, a revista migrou para a Editora Talismã, durando 5 números.

Valiant Hook
Editora: Camargo e Moraes
Edições: 2
Comentários: Mais um mangá da trinca de publicações da editora.

World Police
Editora: Crás
Edições: 4
Comentários: Mangá com história de policiais que vão contra bandidos.

=================================

Faltou algum título? Deixe um comentário.
Essa postagem será atualizada com o tempo e posso colocar mais dados se precisar, além de imagens das capas dos gibis que eu tiver.