O Autor



Fabiano Alves de Jesus, nascido em 24 de Janeiro de 1976, é um leitor de longa-data de quadrinhos. No príncipio, com o eterno Maurício de Souza, passando pelos quadrinhos Disney, brevemente pelos Super-heróis da DC Comics ( Super-homem, Batman, Legião dos Super-heróis, Sociedade da Justiça, etc ) e firmando-se no Universo Marvel ( Homem-aranha, Thor, Demolidor, Homem de Ferro, Vingadores, etc. ) e mesmo os mangás ( quadrinhos japoneses ), aos quais sempre foi fã, desde muito novo graças à influência dos animes.
Jogador de RPG. viveu a fase inicial do hobby em meados dos anos 90, com a Editora Abril trazendo Advanced Dungeons and Dragons, a Devir livraria trazendo Gurps e outros títulos e com o lançamento do sistema 3D&T pela editora Trama, atual Talismã.
Leitor desde sempre, começou a executar críticas à obras lidas quando frequentava o fórum brasileiro de Ragnarok Online, mantido pela Level Up! Games.
Atualmente trabalha como funcionário público e é solteiro.

14 comentários:

Guilherme Chess disse...

Olá amigo.
Gostaria de saber se podes me adicionar no skype ou face.
skype : mr.6155
face :
www.facebook.com/paulo.guilherme.520

Guilherme Chess disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
The Fool disse...

Olá! Claro que posso!
Pode deixar que eu te adiciona lá!

Anônimo disse...

TU É FEIO PRA CARALHO. MEU CU CAGANDO É MAIS BONITO QUE VOCE

The Fool disse...

Que coisa, não? >_<

SKY disse...

Anônimo aloprando, né? Quero ver tirar onda com nome, sobrenome e foto, amigão. Acabo com esse esse seu CAPSLOCK pimpão.

Então Fabiano, tem Twitter? É que eu tava lá debatendo com o Max Andrade porque ele insiste que existe mercado br de mangás, mas eu queria saber o que acha disso, já que tá nesse meio há tanto tempo, mesmo que como leitor.

The Fool disse...

Nem esquenta Sky, isso foi a um ano atrás, haha! Aliás, acho que sei quem é o anônimo em questão.
Eu tenho twitter, mas não uso, tá a séculos parado. Procura por @arcanozero.
Sobre a pergunta, se a gente pegar a definição de mercado num dicionário qualquer, então sim, tem um mercado.
Pequeno comparando com outros países, mas tem.

SKY disse...

Opa, me passa o nome pra stalkear XD

Pior que eu perguntei as coisas no interesse mesmo, mas o Max tava muito na defensiva e acabou me ignorando em determinado momento. (mesmo sem zoeira)

Assim, cara... não dá pra considerar como mercado só o fato de colocar alguns fanzines à venda e colher migalhas. A coisa toda precisa ser funcional por completo e de forma contínua pra dizer que existe. Precisa ter demanda e bom retorno financeiro a médio e longo prazo.

Onde estão as provas desse mercado? Quero que apontem o dedo e digam: viu, seu puto! Essa merda é real! De acordo com isso e aquilo, assim ou assado, conseguimos faturar bem e o caralho a 4. Temos leitores!

Enfim, valeu! Se souber de algo e quiser compartilhar, passa lá no Twitter ou posta por aqui mesmo. Flw

The Fool disse...

Sobre isso, de termos realmente um mercado grande, onde as pessoas podem seguir seus sonhos de terem seus trampos publicados é complicado. Eu observei algumas coisas por aí, sucessos e fracassos, eu poderia escrever sobre, mas toda vez que prometi escrever alguma coisa, não escrevi, então fica difícil.

SKY disse...

Filtrando pela tag mercado achei algumas coisas, como aquele post de 3/2017 sobre o Anime Dreams que vc aloprou os caras do Área E que faziam caricatura em feira de animes. De post em post seu, tem coisa zoando isso. Eu mesmo tenho vontade de escrever sobre o assunto, a nível BK. Certeza que não vai ser motivacional.

=============
Só pra fazer picuinha, o Max não gostou de ser associado com o termo "fanzineiro" não, cara. Chegou a dizer até que artista independente é diferente de fanzineiro. Respondi "Como assim, Max?! Caraio...deixa pra lá." hahahaha!

The Fool! Esse ser que tanto defende a existência desse mercado se contradiz em entrevista dizendo que pretende dar o fora e lançar série no exterior... naofazsentido. Pelo menos faz que nem o Yabu: assume no carão que a porra não dá certo. Pronto.


Daí em outro momento eu perguntei:

"Se existe um mercado por aqui, como vc diz, não seria melhor ficar por aqui mesmo e estimulá-lo? Não seria mais prático do que ir para um extremamente concorrido?"

"Falta um pouco do contexto (???). Eu já fui ao Japao, ganhei um premio, uma editora grande abriu as portas pros meus trabalhos, etc." (fora do contexto ficou essa resposta!! PORRA, tá se gabando?!!)

---

"Então, amigo, pra chamar de mercado precisa ter demanda, dar lucro. Vc lucra com isso?"
"cricricri"
"Então não existe mercado."
"mimimi" *Se lamuria com indiretinha e me chama de hater sabichão*


Caso encerrado.

SKY disse...

Minto, o post é de 3/2007

The Fool disse...

Man, vc foi muito troll, haha! Não precisava.
Tipo, o Max é artista, o poder dele de mudar a realidade onde está inserido é limitado.
O que dá pra ele fazer é produzir e nesse sentido ele tem feito o dever de casa.
Tem artista tarimbado por aí ( o sujeito dá aula de mangá! ) que tá lançando o volume 2 do mangá dele em 2018 por causa do FIQ.
O volume 1 é de 2012, mas abafa essa parte... =x
Pra gente ter um mercado maior precisa dos artistas, editores e mídia em geral, o que não tá rolando atualmente.
Eu tenho que trampar agora, mas faço uma postagem e a gente conversa sobre.

Anônimo disse...

Não foi trollagem, vai. XD
Não mandei ele à merda. Dá pra dizer que tive consideração.

Exatamente manolo! Disse tudo! O poder artístico dele de mudar essa realidade é limitado. Sonhar não faz mal, mas esses caras precisam deixar isso bem claro na timeline do raio que o parta.

"Algum dia o mercado nacional de quadrinhos vai deixar de ser monopólio e se consolidar! Seja o que deus quiser!"

Amém, amigo. Agora sei que tens fé em nosso potencial. 13 aves maria e 2 pai nosso.

------

Outro detalhe importante que vc disse: periodicidade. Mas tem também outros pontos que precisamos discutir:

- Qualidade técnica
- habilidade narrativa
- produtividade (e a influência do clima sobre isso)
- bom senso
- planejamento
- (deve ter mais pontos)

------

Mas sinceramente... refleti muito a respeito disso e a melhor solução é simplesmente dizimar as hordas de autores zumbis e desencorajar qualquer um que não tenha qualidade. Isso poderia acabar com essa superexposição de projetos falidos e de trabalhos ruins que vemos espalhados pela web. Um processo reverso para um recomeço digno!

Comprar pra incentivar, mesmo não curtindo o trampo... não é uma solução.

SKY disse...

Fool, também dei meus pitacos:

robmaia.blogspot.com