segunda-feira, 22 de outubro de 2007

Reuniões sociais ( ou festas. )


Minha mãe vira pra mim e fala: "Esse Domingo vamos na festa de aniversário da japonesinha."
Eu dou de ombros, não ligo. Chega domingo, o compadre da minha mãe vem buscar a gente de carro pra festa. Levamos a tiracolo meu sobrinho selvagem, dado que minha irmã foi fazer coisa melhor.
Foda-se.
Chegamos na casa. Casa grande, num bairro tranquilo ( ou pelo menos aparenta ser. ) em São Paulo. Cumprimentos daqui e ali, tento achar um canto pra ficar.
Sala: Gente assistindo Faustão. Não, obrigado, Faustão me é indigesto.
Quarto: DVD ligado rodando...err...campeonato de vale-tudo japonês. Não.
Cozinha: gente comendo. E eu sem fome.
Comentário de minha mãe: "Você fica muito enfiado nesse computador, não conhece ninguém. Vamos ver gente diferente."
Ou: "Você não faz nada o dia todo."
Então tá, eu me enfiar na casa de parente, pra uma festa de aniversário de uma menina que eu nunca vi mais gorda é ser socíavel, é se enturmar?
Tem sentido eu ir pra casa dos outros pra...assistir TV?? Cadê o papo alegre? Ora, com certeza aquele pessoal teria coisas pra me contar, pra eu saber, pra ouvir e ser ouvido.
Fiquei na "festa" ( e bota aspas nisso! ) por obrigação. Não vou mais. Chega, é rídiculo.
Pra constar: puxei papo com uma senhora, conhecida antiga de minha mãe, conversamos, falamos de coisas dela e da minha família, não foi um papo que fosse mudar minha vida, mas poxa, pelo menos nos falamos.
Aquele monte de gente ali entrou, comeu, saiu, fez tudo e eu sequer sei o nome daquela gente.
E eles o meu nome.
Que se mude o nome. Onde se lê festa ou reunião social, se leia: reunião anti-social.
Nunca mais vou em "festa" de parente.
É isso. =/

2 comentários:

Bigo Capucena disse...

festa de parente é realmente um saco... eu num suporto

Kajiya disse...

Bom, pense pelo lado bom, podia ser pior, vc podia ter saido de lá sem ter falado com absolutamente ninguém...

o/