terça-feira, 25 de outubro de 2011

Crítica - Ação Magazine Nº 01


Me gusta?
Si, pero no mucho!



Finalmente, depois de tanto tempo consegui um exemplar da Ação Magazine, nova revista com mangás nacionais, chamada por alguns como "Shonen Jump Nacional".
Exageros a parte, adquiri a minha recentemente, comprando diretamente no estande da revista no Fest Comix.
Por razões que ainda me são desconhecidas, a revista deveria ter sido entregue as bancas na ultima semana de Setembro, o que não ocorreu. Pensava encontrar a número 2 no Fest Comix, mas não a colocaram a venda, ficando um imenso estande só com algumas camisetas com personagens dos mangás e a edição 1, que está rodando desde Julho desse ano quando foi lançada no Festival do Japão aqui em São Paulo.
Erros de distribuição? Sim. E isso não é um bom sinal.
Até as revistas da extinta Hant Editora ( 7 Dias em Alesh e Oiran ) chegaram nas bancas no tempo certo. Não venderam, mas isso não é o caso.
Todas as revistas de mangá nacional da Eddie Van Feu chegavam pontualmente nas bancas. Alcatéia, Desenhe e Publique Mangá, Heróis S.A., Clube dos Cinco, Contos de Leemyar...
E o mesmo ocorria com a Editora Trama / Talismã: Ethora, Tsunami, Holy Avenger, Victory, Capitão Ninja, etc, etc,etc,etc, nada tinha problemas com distribuição.
Ao que parece, a Ação Magazine foi a premiada da vez!
Eu ri.
Então, o que posso dizer da Ação Magazine?  160 páginas, maioria das páginas em papel jornal, algumas com um papel melhor. 10 Reais.
Matérias sobre celulares, livros de ficção, hackers...Se bem que pra mim, essas matérias foram mais um tapa-buraco para essa edição e possivelmente vão sumir nas edições posteriores para dar espaço para os quadrinhos.
Existe, por toda revista um apelo muito, mas muito grande para que acessem o site da revista, citando aqui: http://www.acaomagazine.com.br o endereço é citado desde o editorial até em anúncios soltos pelas páginas da revista, só faltava em alguma história ser citado também.
Já pensaram?
================

Batala: Madenka, você precisa ser um herói!

Madenka: Ah, mas eu não quero! >_<

Batala: Então, vou te mandar pra aquele lugar! Ò_Ó

Madenka: Que lugar?? Ó_o

Batala: http://www.acaomagazine.com.br

======================
Pequeno recado pro Sr. Alexandre Lancaster: menos, cara, menos!
Enfim, vamos falar das histórias da revista?
Vamos. Elas são o prato principal, nada contra as matérias informativas, mas achei elas meio fora de foco da revista.

=============
Madenka! - por Will Walbr
=============



Madenka fala de um mundo parecido com o nosso, mas com um toque de criaturas parte homem parte monstro, como acontecia em Dragon Ball, na primeira temporada.
Madenka, o personagem principal é destinado a ser um herói, mas não deseja isso pra si. Batala, um porco-do-mato humanóide tenta fazer o possível para que o garoto se interesse, mas Madenka é turrão e quer uma vida fácil, não ser um herói.
Aparece nessa história também Siena, uma moça meio lobo-guará cega, mas que mesmo assim luta, e luta muito bem, diga-se de passagem.
Num mundo de sacis, bruxas, cucas e cia, a promessa de Madenka é ser um mangá de ação e aventura.
------------------------------------------------
O que eu gostei: colocar criaturas da mitologia brasileira é interessante. Aliás, pensei uma coisa, deixo pra falar nas sugestões! x3

O que não gostei: Will, sendo bem franco e direto: vc precisa, com urgência, se afastar do visual Dragon Ball genérico dos personagens. Me dóia ver a mãe do Madenka, o parceiro do Batala... Sério cara, tu não pode manter a publicação com esse design. Mangakás de verdade desenvolvem um estilo particular antes de serem publicados.
Veja, nunca um traço é igual a outro, salvo quando estamos falando de doujins, aí tudo bem.
Mas publicação oficial, com grana rolando e necessidade de bons exemplos, tu fazer um Dragon Ball genérico é foda, com o perdão do comentário.
Seu traço precisa se desenvolver mais, tu não está mais fazendo fanzine cara!
As pessoas vão olhar pra ti e tu vai virar exemplo pra elas, elas vão ver que tu faz mangá genérico e vão fazer também porque vão poder te dar como desculpa! Sentiu a responsa?
==============
"Ah, mas seu desenho está parecendo Bleach, fulano!"
"Não importa, o cara lá do Madenka faz parecido com Dragon Ball, então eu posso!"

=============

Ainda acerca da primeira história, senti um clima de one-shot. A história terminou com o fulano lá, o Afrânio² vencido, mas deu a entender que ele ainda está vivo. Se por acaso Madenka finalizasse aí, ninguém se perguntaria porque. Nada demais, mas faça ganchos melhores, ok?
Eu também não me senti lá muito tentado a continuar lendo a história. Mas analise que tenho 35 anos, já li muita coisa e não vai ser no primeiro capítulo de uma história que você vai chegar no meu coração.
Me conheço, e sei que posso gostar de alguma coisa, mas demora, não é instântaneo.

Sugestões e dúvidas: Vc colocou o Madenka jogando bola, por acaso tem campeonato disso, pelo mundo dele? Tipo copa do mundo? 
E como estão organizadas as cidades, pessoas, etc?  Madenka vende coisas numa barraquinha na rua, parece um feirante, quais as profissões desse mundo?
Acerca da Siena, ela usa um taco gigante pra espancar os bichos, ela tem outras armas? Ela vive do quê?
E aquele cavalo dela, onde ela arrumou ele?
O Batala luta? Ele é tão pequeno e cara feia, não parece que lute bem.
Coloca uma Iara peladona do segundo andar pra andar com o Madenka! Vai ser legal ver o Batala sendo provocado e o Madenka, bobão de tudo, ver mulher bonita.
Particularmente falando, seria interessante se a Siena ficasse atraída pela Iara, huhuhuhuhu~~~~  Sabe como é, a Siena é uma loba guará, poderia ser um tipo de atração animalesca! x3~~~~~~~~~~~
=========================

============
Jairo - por  Michele Lys e Renato Csar ( Roteiro ) e Altair Messias ( Arte ).
===========



Jairo narra a história de um jovem sem pai nem mãe que vai morar com os tios. Ele tem problemas na nova escola, arruma confusão no time do futebol e acaba indo parar no boxe.
Jairo é mais realista, tem drama, lutas, e um traço mediano.
-----------------------------------

O que gostei: Drama, caras, Drama! Jairo é um puta de um azarado, desgraçado, onde tudo dá errado pra ele.
Isso é MA-RA-VI-LHO-SO!
Quando ele chega na casa dos tios, o bicho já pega internamente entre os tios dele porque o tio de Jairo não queria o garoto lá.
A família onde o Jairo está instalado tem problemas, e a presença do garoto lá apenas ajuda a piorar o ambiente.
E quando Jairo vai pra escola com o primo a situação não melhora. Jairo está num ambiente novo, sem conhecer ninguém, e pra "ajudar" ele arruma confusão com Ivan, um moleque idiota e muito rancoroso durante um jogo de futebol.
Ivan faz o inferno na vida de Jairo, enchendo a paciência do pobre rapaz. Até que um belo dia, Jairo manda ele pro chão de tanta pancada que ele levou.
Jairo deixa o time de futebol e começa a frequentar os treinos de boxe, onde conhece Vitor, moleque franzino e covarde que está lá pra ver se toma jeito.
Claro, eles ficam amigos.
Uma das personagens é a Alice e está claro que ela está interessada em dar pro Jairo *risca* em namorar com ele! :3
O ponto aqui é que o primo de Jairo está de olho nela e já no primeiro capítulo fica claro que ele não gosta dessa situação.
Quer dizer, mais pra frente na história, mais problemas.
Foi mal pelo spoiler, mas eu precisava!  >_<

O que não gostei: Esse personagem, o Ivan, de boa, ele primeiro toma uma surra sentida do Jairo, cai no chão, sangrando bicas, todo arrebentado. Ok.
COMO ASSIM ele vai atrás do Jairo no Boxe pra continuar atazanando ele?
Burrinho esse Ivan, hein?
E mesmo assim, quando ele chega e tem a luta de treino entre ele e o Jairo, ele provoca de novo o Jairo que começa a largar o cacete nele, só parando porque se segurou.
Acho que é bem evidente que o Ivan não é páreo pro Jairo.
E é MAIS EVIDENTE AINDA  que se vocês segurarem o Ivan na história, vão estar subestimando a inteligência dos leitores, eu incluso.
Assim sendo, espero que no capítulo 2 o Ivan suma do mapa, o Jairo já tem problemas demais, e já ficou claro que o Ivan, do jeito que está fazendo, não vai conseguir nada.
Apenas ferimentos, hematomas e coisas afins.
Agora, se vocês manterem o Ivan mas com uma desculpa razóavel, posso repensar minha opinião. Mas a única coisa que achei ruim da história foi isso. Essa forçada de barra.

Sugestões e dúvidas:  No geral, gostei dos personagens, as meninas inclusive. A Adriana parece ser uma menina atenta nas coisas e a Alice é meio doidinha ou estou enganado?  O faxineiro que era boxeador e ficou amigo do Jairo poderia falar do Éder Jofre, antigo campeão brasileiro, que creio, muitos leitores não devem conhecer.
Acho até que seria interessante uma homenagem desse tipo dentro da história. Vocês poderiam procurar os parentes do Éder Jofre e mandar um exemplar de cortesia para eles quando isso acontecesse.
Eu pensaria seriamente em colocar mais personagens para contracenarem com o Jairo. O ambiente dentro da casa dele está hostil, mas acredito que ele ainda não percebeu isso.
Daí ele vai passar mais tempo fora do que dentro de casa, e isso demandaria mais personagens.
Espero que vocês também mostrem um pouco do dia-a-dia dos jovens, com Jairo indo jogar videogame em lan house, usando internet, falando ao celular.
E faltou explanar um pouco mais o ambiente da escola, os professores, diretores(as), outros funcionários, mas tudo isso pode ser feito com o tempo.
Que tal fazer todos os personagens, ou pelo menos a maioria deles, fazerem algum esporte? Assim Jairo pode transitar entre as modalidades esportivas e nós não ficaremos aborrecidos de só ver boxe o tempo todo.
Pensei também de Jairo trombar com a Máfia das apostas, mas creio que isso fugiria muito da temática proposta, mas fica aí a sugestão.
Ah, sim! E dar algumas dicas sobre o passado de Jairo com seus verdadeiros pais seria legal também.
==========================

============
Tunado - de Maurílio DNA e Victor Strang ( Ambos fazendo roteiro e artes ).
============




Tunado fala de corridas de carros, rachas, coisas proibidas perante a lei. O ato de modificar carros comuns ou antigos para serem "tunados" ganhou força nos ultimos anos. No cinema mesmo, a série Velozes e Furiosos é um claro exemplo dessa tendência.
A história narra a história de Daniel Kawasaki ( mas isso é marca de moto, não de carro, euri! xD ) , no dia do seu aniversário ele ganha um Chevete tunado do tio, um antigo piloto de stock car e promete que vai se tornar um piloto tão bom quanto o tio, que está paralítico por causa de um acidente de carros. Até aí, tudo bem.

O que gostei: É estranho pra mim dizer isso, mas gostei dos desenhos das mulheres nessa história. Não gosto de carros, conheço nada sobre o assunto, então as especificações técnicas passaram batido pra mim. E sim, também fiquei com cara de "???" quando o protagonista mandou um "Drift". Acerca dos personagens, não vi nada demais neles. Vocês que escrevem prestem atenção, leitores apáticos são um sinal perigoso para uma história. Cabe a vocês nos tirarem da apatia de algum modo.

O que não gostei: Deixa eu ver se eu entendi, o menino lá ganhou um carro do tio. Ok. O tio perdeu as pernas numa corrida de carros. Ok. Porque cargas dágua o tio bancaria um carro pro sobrinho? Pro protagonista se arrebentar como ele?  Faltou idéia aqui pra dar o carro pra ele. Vocês forçaram a barra, perdão pelo comentário.
Espero que não aconteçam mais abusrdos desse tipo no decorrer da história, porque senão vai ficar complicado gostar dela.
Outra coisa, tem uma sequência lá onde mostram as partes internas do carro, o desenho lá das peças está lindo, cheio de detalhes, mas penso comigo mesmo: precisa mesmo tudo isso? A história é contada pelos personagens, não por um câmbio, ou um pistão do carro.

Sugestões e dúvidas: Tunado, pela temática, é um mangá com grande possibilidades, pelo menos pra mim. Os personagens podem dar uma guinada alta, mais ousada, falar além de rachas ilegais, de drogas, prostituição, crime organizado, tudo isso sob a fachada de corridas de carro.
Eu pensaria de colocar um ou mais personagens policiais na história, para criar mais conflitos. Com um pouco de jeito, algum personagem realmente bandido, também.
Pensei no tio do protagonista estar na realidade envolvido com uma facção criminosa, e ele deu o carro pro sobrinho para ele continuar de onde ele teria parado.
Uma dívida com criminosos, na verdade, e a conta passou pro Daniel.
Mas ele não sabe disso.
Daí um dia, uma policial pega ele, começa a interrogar e cita o nome do tio dele como sendo de um membro influente de uma máfia italiana.
Daí a casa dele caí, ele fica sem rumo, sem saber o que fazer e acaba preso.
Wow!
Bem, são só idéias! 8B
========================


Sobre o Site: Olha, eu fico contente de ver uma nova revista querendo lançar o pessoal, fazer justiça pro povo. Mas assim, façam isso direito!
Olha o site de vocês, que é tão pedido para ser acessado e tudo o mais! Tem os blogs das histórias, mas estão vazios!
O que está com mais coisas é o de Expresso, que por sinal só estréia no número 2. Que se passa com vocês aí? Tem o blog das histórias coloquem coisas nele! Eu acho que se o Alexandre disponibilizou espaço para vocês no site, então que usem ele, ué!
Qual o problema? Estão com medo de postar alguma coisa lá, ou estão sem idéia mesmo?
Resolvam isso, por gentileza!

Últimas considerações:
Apatia é algo que me acomete com frequência, como eu disse, já li muita coisa, sou muito exigente e não vai ser qualquer coisinha que vai me emocionar. Entretanto, eu posso ser agradado, mas isso demora.
Eu não sei se vocês terão como manter a publicação no pé que ela está com tantos problemas de distribuição. E isso é um problema. De certo, não vou me emocionar com alguma história que está começando, no capítulo 2, ou 3.
Mas num capítulo 8, 9, pode ser.
Só que assim: eu não sou o público-alvo dessa revista. E por isso mesmo, vocês não devem considerar meu dito acima sobre me agradar.
Vocês se propõem a fazer uma revista para jovens, então sigam isso. A meu ver, falta conhecer melhor seu público e vocês não podem errar nisso.
Pensando bem, vocês não podem errar em ponto algum, e não é bem isso que tenho visto aqui e ali.
Senão, é o fim da revista.
Estou cético, muito cético do sucesso de vocês.
E não estou nem um pouco confiante, falando a verdade.
Mas vai que estou errado, né? De repente...
É isso.

21 comentários:

Anônimo disse...

Escaneia essa bomba pra gente! Pedi pro Bk mas ele já deve ter limpado a bunda com a revista.

Agronopolos Vendaval disse...

OU SEJA:
Fazer o Scan disso, para que você tenha acesso de graça?
Kara, você está aqui para ajudar ou piorar a situação?
Scan de material disponivel para compra É CRIME! É só acessar: http://www.acaomagazine.com.br/fale-conosco.html lá eles te ensinam como comprar com eles

The Fool disse...

@ Anônimo:
Não.

Anônimo disse...

Vocês me convenceram. Irei comprar essa maravilhosa revista. É claro que depois eu vou escanea-la e upar pra quem quiser baixar. Problem?

Pedro Henrique disse...

Eu não estou muito animado com a Ação Magazine, parece que eles não respeitam o público, o site não é atualizado, má distribuição e até hoje nada da segunda edição. Sem falar que se for bimestral ou trimestral vai ser um porre, principalmente para quem quiser acompanhar uma história em especial. Acho que eles não estão levando esse trabalho a sério. E é uma pena porque vi centenas de pessoas esperançosas com a Ação e as histórias em geral parecem boas.

The Fool disse...

@ Anônimo: A vida é tua. Estraga ela como tu quiser!

@Pedro: Fizeram muito barulho por causa da Ação, o Lancaster e o Fábio não podem deixar ela morrer na praia assim! Porra, deram o sangue pra revista ficar conhecida, vão deixar mesmo ela ir pro brejo assim??

Pedro Leme disse...

Comentários interessantes. Concordo em alguns pontos mas acho que se precipita em ourtos.

Até hoje li centenas de mangás diferentes e posso contar nos dedos os mangás que me cativaram em seu primeiro capitulo, é dificil.

Em relação às dúvidas, acredito que durante as historias as mesmas vao ser explicadas, do tipo: economia do lugar, profissões, nomenclaturas etc. Voce ta colocando a carroça na frente dos bois!

Em relação à distribuição, concordo. É uma pena algo ter dado errado logo no inicio, parece que demorará pra se estabilizar. O lado bom é que quanto mais cedo acontecem problemas, menos caros eles são de resolver e seu retorno fica dificultado.

Acredito ( ou quero acreditar ) na Ação Magazine. Serei um pouco mais paciente. Aguardo a 2a edição ansioso. =]

Pedro Henrique disse...

Bom, eu também queria acreditar na Ação, eu espero está equivocado em relação á descrença que sinto sobre a Ação Magazine. Eu torço pelo projeto seja um sucesso, afinal eu quero ver o mercado nacional crescer, eu quero ver um novo traço, uma nova maneira de fazer quadrinhos, uma maneira brasileira... No começo era crédulo de que a Ação iria trazer isso para nós, mas agora não consigo mais acreditar na Ação Magazine, acho que só poderei ter fé nela novamente a partir da edição n°10. Mas mesmo assim vou comprar essa primeira edição, a segunda, se eles decidirem lançar-la.

Kira disse...

Comentários de Kira...
Poxa, Fool, concordo com o que disseram sobra por o carro na frente dos bois. Tá tudo no começo ainda e fica meio prematuro fazer alguns tipos de julgamento acerca do material publicado. Poooooorém, existem alguns fatos que valem a pena serem ressaltados:

Sobre a picuinha do Ivan no mangá de boxe, fica a dica para o senhor: Leia The Breaker. É um Manhwa de luta foderosamente bom, mas que morre na segunda etapa... Mas o que vale falar sobre ele é que rola uma parada dessas de bullying com o personagem principal. Mas aí ele aprende a lutar, rebenta com o maldito na porrada e fim.^^ Fim? Coisa nenhuma! Na segunda etapa do manhwa(new waves)o pirralho volta pra se vingar da "vergonha" que passou na frente do parceiros e daí se tem mais coisa pra o autor poder fazer.

ainda não li a ação, mas se tiver na fiq, talvez, eu compre e leia. Mas duvido ue eu faça isso.

No mais, belo post. Foi mto bem escrito e dá vontade de continuar te acompanhando no blog.

Vai lah, manolo!!!

Kira disse...

Comentários de Kira...
Poxa, Fool, concordo com o que disseram sobra por o carro na frente dos bois. Tá tudo no começo ainda e fica meio prematuro fazer alguns tipos de julgamento acerca do material publicado. Poooooorém, existem alguns fatos que valem a pena serem ressaltados:

Sobre a picuinha do Ivan no mangá de boxe, fica a dica para o senhor: Leia The Breaker. É um Manhwa de luta foderosamente bom, mas que morre na segunda etapa... Mas o que vale falar sobre ele é que rola uma parada dessas de bullying com o personagem principal. Mas aí ele aprende a lutar, rebenta com o maldito na porrada e fim.^^ Fim? Coisa nenhuma! Na segunda etapa do manhwa(new waves)o pirralho volta pra se vingar da "vergonha" que passou na frente do parceiros e daí se tem mais coisa pra o autor poder fazer.

ainda não li a ação, mas se tiver na fiq, talvez, eu compre e leia. Mas duvido ue eu faça isso.

No mais, belo post. Foi mto bem escrito e dá vontade de continuar te acompanhando no blog.

Vai lah, manolo!!!

The Fool disse...

@ Pedro Leme:
Essas perguntas eu fiz mais pros autores, com um pouco de sorte, pensarem a respeito.
Quando se cria um universo pra contar uma história, acho legal quando tem detalhes dele espalhados pela mesma.
Essas coisas poderiam ficar nos blogs das histórias, por sinal.
Até agora estou querendo entender o que aconteceu com a distribuição.
Mas não creio que a gente vá saber, pelo menos não da boca do Alexandre ou do Fábio.
Eu acho que não comentei, mas sou calejado nesse negócio de mangá nacional, já tomei muito na cabeça por acreditar e o povo só me deu pra trás.
Daí minha postura.
Mas se tu acredita, sustente isso, Pedro. O máximo que pode acontecer é tu se decepcionar, mas até aí...
E eu espero que a edição 2 venha melhor.
Valeu pelo comentário, abraços!

Lionel Ritchie disse...

160 páginas e nenhuma que preste, só historinha chata e manjada e que não empolga NINGUÉM, nem criança, nem adolescente, nem adulto. Ninguém. E mais um punhado de texto de encheção de linguiça.
Cara, 160 páginas é muita coisa. Em 10, em 5 páginas um cara bom, com algo a dizer, faz uma história maravilhosa. Vão aprender a escrever, isso tá pior que emir ribeiro, que ao menos é extravagante nos assuntos.

The Fool disse...

@ Pedro Henrique: Não é errado tu fazer uma suposição de quantos números da revista vão durar.
Ok, muitas revistas não duraram muito, pelo menos não em épocas passadas.
Combo Rangers pela JBC durou 12, por exemplo.
Exemplo atual que tá durando bastante é Luluzinha Teen e sua turma, com 29 edições.
Não vou entrar no mérito da Turma da Mônica Jovem, porque o Maurício se vende por si só.
Mas olhando Lulu Teen com mais atenção, nota-se um esforço em deixar a publicação próxima dos leitores.
Os personagens tem Twitter, sites próprios, Facebook, olha lá na página inicial a quantidade de fansites que tem da Lulu:
http://www.luluteen.com.br/luluteen/

Existe uma divulgação da revista, não pela TV, mas por meios impressos.
O negócio foi tão bom que ressuscitaram a Luluzinha clássica, que tava no limbo.
Meu, se isso não é sucesso não sei o que pode ser!
Agora, entra no site da Ação Magazine pra ver o desleixo!
Aí, é foda!

Igor Lourena disse...

Como vc tomou umas broncas da galera do facebook, vc diz sua opinião não uma critica . Eu eu concordo com vc em algumas coisas, mas é pra ser mais neutro e criticar.

Já quebrei a cara com o erro.

The Fool disse...

@ Kira: Como eu disse, tem que ter um jogo de cintura aí se forem deixar o Ivan na história.
E não conheço esse manhwa, não tenho lido quase nada ultimamente, valeu pela dica!

@ Lionel: Acho que o problema da Ação é chegar no suposto público-alvo deles. Eles dizem que são o povo jovem, mas sem distribuição em banca, apenas em livraria e comic shops eles só vão chegar em gente mais velha.
Quer dizer, por um deslize de planejamento, se eles continuarem nesse ponto, terão que repensar o conteúdo da revista. Jovens não vão em livrarias para comprar gibis, vão lá pra comprar livros de aventura, isso quando vão! E no caso da Comix vão lá pra comprar mangás, não coisas desconhecidas.
Enfim, é complicado.

@ Igor: Mas não existe opinião neutra, Igor!
E toda crítica é uma opinião, olha aqui:
http://www.dicionarioweb.com.br/critica.html
Olha os jornalões, como a Folha de SP, eles pregam uma tal neutralidade, imparcialidade, mas quando o couro come, eles vão pra um lado e dane-se.
Eu pelo menos não tenho como manter uma opinião isenta, neutra, porque já li muita coisa, meu nível de exigência é alto.
Eu posso até abrir uma exceção e tolerar algo que não gosto, esperar ficar legal, mas mesmo isso tem um limite.
Desculpe se fui rude contigo. Abraços!

Igor Lourena disse...

Tudo Bem!

Eu pesquiso tudo isso na boa!

A parte mais difícil, é esse pessoal ser mais flexível com as críticas.

Logo falei uma opinião no facebook, a respeito do desenho altair(desenhista do Jairo), os cara deletou!
Isso é falta flexibilidade com aprendizagem com a própria pessoa que trabalha.

Pra não "ofender" é preciso ser neutro.

Foda isso, né?

The Fool disse...

@ Igor: Falta maturidade pros nossos artistas.
Quando o artista é um guri de 14~15 anos que faz mangazinho baseado em anime shounen que ele gosta, tudo bem.
Duro é quando é marmanjo, casado, com pêlo no saco, mas tão sem-noção quanto o moleque de 14 anos!
Pombas, o Robert Crumb, que foi o Deus das HQs de contra-cultura dos EUA nos 60 era aporrinhado por todo mundo que não gostava dele.
Mas o velho não parou, as HQs dele eram foda porque provocavam as pessoas, ele falava de coisas polêmicas, como uso de drogas, incesto, coisinhas que faziam o povo conservador chiar.
Mas ele aguentou o tranco. Criticavam ele pelas idéias que ele passava com os gibi.
Gente que deleta comentário porque não quer ler está caindo no abismo da ignorância e não sabe.
E assim, a gente não vai melhorar nunca! =(

Anônimo disse...

Scan só é crime se for comercializado.

Scan de graça não é crime.

E foda-se se for crime.
Vão prender assaltante e político corrupto.

The Fool disse...

@ Anônimo: Como eu disse, se tu queres tanto, faça vc mesmo!

Will Walbr disse...

Opa!

Achei interessante a avaliação e sobre o que ficou em aberto ou incompreendido…bom, o traço teve como fonte de inspiração DB de fato. Gosto muito do estilo, mas não era pra ter saído como saiu. Por conta dos prazos, infelizmente não pude distanciar o traço o quanto desejava. Isso deve ocorrer gradativamente.

Sobre as dúvidas, sim…existem "torneios" de futebol e isso é inclusive mencionado num diálogo entre a Vaina e o Batála. O cavalo da Siena(Eliseu) também tem uma historinha. Aquilo é mesmo uma feirinha e as profissões são bem parecidas com as do nosso mundo. Muito, na verdade, é similar. Tem muita coisa e não tem como detalhar tanto no começo. Veja que muitos já acharam o texto carregado demais de informações.

O projeto foi planejado pra ser uma saga longa mostrando a evolução do Madenka, seu caráter e sonhos. É com isso em mente, que preciso dosar o que vem em cada episódio.

É isso! Postei originalmente isso noutro lugar e só agora notei que aqui é a fonte do texto.

Valeu!

The Fool disse...

@ Will: Não tinha necessidade de tu comentar aqui também...eu li seu post no blog do Clock Cast.
Mesmo assim, obrigado pelos esclarecimentos.